Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Qua, 14 de Maio de 2008 15:53

O Dia-a-dia do Soldador

O mercado está aquecido, por causa do crescimento na indústria e na construção civil. O centro de apoio ao trabalho da prefeitura da capital tem 83 vagas para soldador.
Já o posto de atendimento ao trabalhador do estado, tem mais 200 oportunidades e, como em toda profissão, quem se qualifica tem mais chances de ganhar bem.

A luz é quase hipnotizante. As faíscas produzem uma chuva colorida. Pelo cenário, você já sabe de qual profissão estamos falando. Antonio Carlos trabalha como soldador há 10 anos e conhece bem os perigos do clarão que atrai o nosso olhar.

“Os olhos ficam todos queimados e aí, você não consegue dormir à noite”, diz Antonio Carlos dos Santos, soldador.
Para se proteger, todo soldador precisa usar uma espécie de armadura.

“Todo protegido para não se queimar. É um pouco perigoso”, diz Antonio.

Numa metalúrgica, a solda é usada para fabricar rodas e rodízios.
“Se você faz uma solda malfeita, o rodízio estoura e aí, é prejuízo. Pode causar um acidente”, diz Oseas Oliveira Carvalho, soldador.

Numa metalúrgica, são produzidas peças para carros, motocicletas. A solda é indispensável no processo, tanto que a fábrica tem 35 profissionais.

“Comecei como ajudante. A empresa deu uma oportunidade, um curso de soldas, depois eu fiz um curso de controle dimensional e aí, fui aperfeiçoando no dia-a-dia no trabalho”, conta Marcio Silva, soldador.

Valmir trabalha em uma máquina conhecida como solda ponto. O processo é um pouco diferente, mas também utiliza eletricidade para gerar calor e unir as peças, que passam por um rigoroso controle de qualidade.

“A cada uma hora eu faço o teste e a cada uma hora o inspetor vem e faz o teste. São intercalados os testes. Então, a gente tem que ter um controle bem rígido”, diz Valmir Cardoso, soldador.

“O que nós precisamos hoje é que a pessoa tenha, realmente uma boa acuidade visual, habilidade manual, tenha bastante comprometimento e que a pessoa tenha muita responsabilidade com os horários porque a produção está muito em alta no mercado”, diz Nelson Machado, gerente industrial.

Nos primeiros três meses do ano, o faturamento da indústria brasileira cresceu mais de 7% acima da inflação. O nível de emprego também pegou carona e avançou quase 5%.

É um bom momento para conseguir um emprego como soldador. O centro de apoio ao trabalho da prefeitura está oferecendo 95 vagas.
No posto de atendimento ao trabalhador, da secretaria estadual do emprego há mais 180 vagas para capital e Grande São Paulo.
O avanço tecnológico e a competitividade entre as indústrias exigem profissionais bem preparados. Para conquistar uma vaga e continuar no emprego, o soldador precisa fazer o trabalho perfeito, sem retoques e, ainda, economizar tempo, matéria-prima e energia usada para ligar os aparelhos. Mais uma vez, o caminho para atingir esse nível de qualidade passa mais uma vez pelo conhecimento.

No laboratório, é hora de aplicar o conhecimento repetidas vezes.
“Quanto mais conhecimento, ele tiver melhor vai ser pra ele e para o serviço de qualidade que ele está efetuando. Além de regular e operar os equipamentos, os alunos também recebem orientações sobre a postura profissional”, diz Paulo de Menezes, soldador.
Além de regular e operar os equipamentos, os alunos também recebem orientação sobre a postura profissional.
“Ele vai ter ali dejetos sólidos. Ele tem que limpar sozinho, sem chefe olhando”, diz Nivaldo.
Mary Helen já trabalha em uma metalúrgica na cidade de Mauá, na Grande São Paulo. Depois do serviço ela ainda encontra disposição para investir na carreira.

“Meu objetivo é me aperfeiçoar cada vez mais nessa área porque eu me identifiquei muito com solda e terminar minha faculdade”, diz Mary Helen Lopes Pimentel, aluna.
Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos, o piso salarial para soldador é de R$800,00, mas as empresas pagam mais de R$1.500,00 por mês para quem tem qualificação.

“Tem sempre muito emprego e o salário é bom”, diz um metalúrgico.
“Quem se profissionalizar nessa área, com certeza, vai conseguir um bom trabalho”, diz Wagner Ferreira, soldador.
 
Fonte : SPTV na internet.
Data:14/05/2008

 

Deixe um comentário

Qualquer pessoa pode comentar no blog CETRE do Brasil, desde que se identifique com nome e e-mail.
Todos os comentários serão analisados por um moderador antes de serem publicados no blog.
Não serão aceitos no blog comentários que:
* configurarem qualquer tipo de crime, de acordo com as leis vigentes no país;
* forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
* estejam repetidos no mesmo ou em notas diferentes;
* contenham insultos, agressões, ofensas, injúrias, palavras de baixo calão;
* contenham qualquer tipo de material publicitário - ou merchandising - pessoal ou em benefício de terceiros;
Este blog é privado à CETRE do Brasil, que reserva-se o direito de publicar somente os comentários saudáveis à discussão do grupo participante.